Cadastre seu WhatsApp e receba as notícias SMC

Notícias > Notícias do dia

Imagem

Os impactos dos cortes de Bolsonaro e o dia em defesa da educação

"Jornal Brasil Atual" traz nesta terça o clima do 15M, quando são esperadas manifestações de estudantes e trabalhadores em todo o Brasil. Movimento é prévia da greve geral em 14 de junho

São Paulo – A edição desta terça-feira (14) do Jornal Brasil Atual terá informações sobre as manifestações desta quarta-feira (15), Dia Nacional em Defesa da Educação em defesa da educação e das universidades públicas, alvo de contingenciamento de verbas pelo governo Jair Bolsonaro (PSL), de protesto contra a reforma da Previdência e de preparação para greve geralconvocada pelas centrais sindicais em 14 de junho. Especialistas do setor educacional falam sobre os impactos dos cortes anunciados pelo Ministério da Educação na vida do país.

O diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, comenta nova ofensiva do governo Bolsonaro sobre os direitos e relações do trabalho, agora com ameaças à normas regulamentadoras para a segurança e à saúde nos ambientes de trabalho.

O advogado José Carlos Portela Junior, professor de Processo Penal na UniCuritiba – Centro Universitário Curitiba e integrante do coletivo Advogados e Advogadas Pela Democracia, vai comentar o decreto que amplia a liberação do porte de armas, assinado pelo governo Bolsonaro. Portela fala também sobre a prisão do ex-presidente Michel Temer (MDB), transferido nesta segunda para o Comando de Choque da PM de São Paulo.

Na noite de hoje para amanhã será realizada uma vigília em Brasília contra a reforma da Previdência, por iniciativa de entidades sociais e religiosas, como o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), que reúne católicos, batistas, anglicanos, presbiterianos, ortodoxos e luteranos, e a Cáritas Brasileira, que trabalha na defesa dos direitos humanos, da segurança alimentar e do desenvolvimento sustentável solidário.

O jornal traz também entrevista com Débora Maria da Silva, criadora do movimento Mães de Maio, contra a violência policial, depois que 564 pessoas foram mortas em maio de 2006, em ação da polícia em represália a ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) à Polícia Militar. Nesta quinta-feira (16), o Mães de Maio lança livro no Largo do São Francisco, centro de São Paulo, com depoimentos de mães resgatando a memória de 26 jovens que foram executados na ação da PM.

O sociólogo Emir Sader fala da resposta da China em relação à guerra comercial com os Estados Unidos, que nesta segunda-feira (13) anunciou que vai impor tarifas sobre mais de 5 mil produtos norte-americanos, depois que o país governado por Donald Trump decidiu adotar tarifas contra o país asiático, na semana passada.

Emir Sader fala ainda sobre a vitória peronista na eleição para governar a província de Córdoba, o segundo maior distrito eleitoral da Argentina, com a reeleição Juan Schiaretti, resultado que representa uma importante derrota política para o presidente Mauricio Macri.

Também na pauta de Emir Sader estará a viagem que o presidente Jair Bolsonaro deve fazer nesta semana aos Estados Unidos. Ativistas brasileiros e norte-americanos que representam índios, LGBT, negros e mulheres programam protestos contra Bolsonaro na perspectiva de que cancele uma viagem de dois dias a Dallas, onde está programada a concessão de uma homenagem ao presidente.

Fonte:RBA

Categorias:

Comente esta notícia

Desenvolvido por Agência Confraria