Próximas assembleias, confira as datas

Palavra do Presidente

Não vamos ser o pato da história!

Sérgio Butka - Presidente
A cada dia que passa fica mais evidente que  Michel Temer está querendo nos forçar a pagar uma conta que não é nossa. Neste momento, não existem coincidências. Tudo o que ele e sua quadrilha tem feito é com esse único objetivo. O cenário é claro: gastam mais do que podem, perdoam dívidas bilionárias dos bancos e querem cobrar do trabalhador retirando nossos direitos básicos.
 
Para cobrar essa conta da gente, o governo trouxe primeiro a PEC do Teto de Gastos, que tirou os direitos como saúde e educação da população. Reduziram a quase nada os investimentos nessas áreas e empurraram muitos trabalhadores de volta para a pobreza. Depois vieram as Reformas, a trabalhista precarizando ainda mais as condições e rendas dos trabalhadores, e a da Previdência, para tentar impedir que grande parte dos brasileiros se aposentem nos próximos anos.
 
Se não bastasse mexer nos nossos direitos básicos, Michel Temer ainda quer cobrar essa conta sucateando órgãos importantes das Justiça do Trabalho. Cortando drasticamente os recursos das instituições que fiscalizam as condições e direitos trabalhistas no país, ele e sua quadrilha garantem que a população não consiga reverter esse caos que ele instalou. Para se ter uma ideia do tamanho dessa “fatura” que Temer está nos cobrando, vamos olhar para a situação dos Auditores-fiscais do Trabalho. Hoje existem 580 mil empresas para cada Auditor-fiscal do Trabalho no país. Um absurdo! O Brasil está seguindo o caminho contrário: hoje temos menos auditores do que em 1996 e um número absurdamente maior de empresas.
 
A relação governo e bancos também é outra “parcela” que querem que a gente pague. Mesmo os grandes bancos lucrando bilhões por ano, o governo ainda perdoa dívidas bilionárias dessas instituições com o país. É dinheiro nosso que deixa de entrar no orçamento, por uma “bondade” do governo com seus financiadores. Só nos últimos meses, foram R$ 25 bilhões perdoados do Itaú, R$ 338 milhões do Santander e outros R$ 900 milhões do Bradesco. Tudo feito pelo Carf (Receita Federal) na gestão de Michel Temer. Fora isso, ainda tem os juros nas alturas, que maltrata o setor produtivo e a população, mas engorda ainda mais os bolsos dos banqueiros.
 
Essa “bondade” toda também avança em outras frentes. Os próprios parlamentares devem mais de R$ 550 milhões para o país, mas serão perdoados pelo “novo Refis”. Detalhe importante: Refis votado por eles mesmos, ou seja, devedores votando o próprio perdão. 
 
É por isso que repito: NÃO VAMOS PAGAR ESSA CONTA! Não somos patos e não seremos feitos de bobo por esse governo corrupto. Se for preciso, VAMOS PARAR O BRASIL! Essa conta não é nossa. O governo precisa criar vergonha e perder essa mania de passar a conta sempre para o andar de baixo. Precisamos seguir firmes no propósito de cobrar até o último centavo de quem deve de verdade para o Brasil. 
 
Vamos pra luta!
Sérgio Butka
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, da Federação dos Metalúrgicos do Paraná (Fetim) e da Força Sindical do Paraná.
Desenvolvido por Agência Confraria