100 anos de luta - Histórias dos Metalúrgicos da Grande Curitiba

Notícias > Covid-19, Saúde, Saúde do Trabalhador, Vacina

Imagem

EM REUNIÃO COM CENTRAIS SINDICAIS, SECRETARIO DE SAÚDE DO PARANÁ SE COMPROMETE A INSTALAR NA SEMANA QUE VEM COMITÊ  DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS DO TRABALHADOR PARA DEBATER O COMBATE AO COVID-19

Comitê foi instituído por decreto pelo governo em agosto do ano passado, mas só agora vai sair do papel, graças a pressão das Centrais


Em reunião com as Centrais Sindicais, na tarde desta terça-feira (23), o secretário de saúde do Paraná, Beto Preto, se comprometeu a instalar o Comitê de Proteção aos Direitos do Trabalhador para debater medidas de  combate ao Covid-1. O comitê é uma reivindicação das Centrais Sindicais e  foi instituído por decreto do governo  do Paraná em agosto do ano passado, mas ainda não havia saído do papel. De caráter tripartite, o decreto estabelece que deve ser formado pelas Centrais, o empresariado e o governo com o objetivo de assessorar o governo  no combate à doença.  “Estaremos convocando todas as entidades representativas para o estabelecimento definitivo do comitê até a segunda ou terça da semana que vem” disse o secretario. 

“A instituição do comitê é muito importante porque até agora o governo estava ouvindo somente o lado patronal em relação ao Covid. Agora, com o comitê esperamos também ter voz para oferecer a nossa visão sobre a luta contra a doença e para manter a segurança e saúde do trabalhador”, diz o presidente da Força PR, Sérgio Butka. 
A reunião girou em torno de três pontos: A instituição efetiva do comitê; a situação real da pandemia no estado e seu combate; a questão das atividades essenciais e a confusão que  tem surgido em relação aos decretos estaduais e municipais que cada vez mais tem ampliado o leque das atividades essenciais sem estabelecer um debate consciente em relação a isso. 

“É preciso que haja uma padronização desses decretos no estabelecimento do que é atividade essencial e o que não é. Por exemplo, o último decreto do governo estabelecia que as montadoras eram atividade essencial. Ora, isso é totalmente sem  nexo nenhum. Onde está a atividade essencial em produzir carro? Isso pode esperar”, questionou  o diretor da Força PR, Nelson Silva de Souza, o Nelsão. 

O economista do Dieese, Sandro Silva, sugeriu que o debate  em relação à pandemia deve  focar não só a discussão do lazer, mas também há partir do trabalho. “Infelizmente, as autoridades e a mídia tem focado o debate somente na questão do lazer do trabalhador. Que ele não pode ir na praia, não pode ir no restaurante, mas esquece de debater a doença há partir do trabalho dele.  Não leva em conta que o trabalhador tem que pegar ônibus, como ele se comporta no trabalho. Parece que há uma invisibilidade da figura do trabalhador”, questionou Silva. 

Participaram da reunião também representantes do Ministério Público e o Dr.Zuher Handar, assessor do Departamento de Saúde da Força Paraná. 
 

Comente esta notícia

código captcha
Desenvolvido por Agência Confraria

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) utiliza alguns cookies de terceiros e está em conformidade com a LGPD (Lei nº 13.709/2018).

CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o tratamento de dados feito pelo SMC. Nessa página, você tem acesso às atualizações sobre proteção de dados no âmbito do SMC bem como às íntegras de nossa Política de Privacidade e de nossa Política de Cookies.